08/04/2012

Eu quero que tudo o que eu escrevo se perca, que seja propagado, mas que ninguém leia.
Quero mesmo que o mal que me assola não seja sentido por outros, e caso seja, que as leituras de desconsolo não tenham origem nas minhas moléstias e desventuras. Estas devem ser esquecidas. Assim como o que eu escrevo.