02/03/2013

Lolita - Vladimir Nabokov

"Claro que não podia matá-la, como alguns talvez tenham imaginado. Já deviam saber que eu a amava - um amor à primeira vista, á última vista, a cada uma e a todas as vistas."



É dessa forma que Edgar Humbert Humbert demonstra, não pela primeira ou pela última vez, sua idolatria por Lolita (Dolores Haze), filha de sua senhoria e esposa.

Utilizando um humor um tanto ácido e uma narrativa incrivelmente elegante, o vigoroso romance a respeito do escritor intelectual que se apaixona por uma ninfeta (meninas com idade por volta dos 12 anos, com "natureza diabólica") é conduzido sob a divisão em duas partes: a primeira é iniciada por Humbert contando sobre quando e como, possivelmente, poderia ter tido origem a sua atração pelas ninfetas (um episódio na infância) e sobre outros acontecimentos, como sua permanência em parques e escolas para observar seus objetos de volúpia, seus casamentos, os rumos profissionais que segue, a chegada à casa de Charlotte Haze (mãe de Lolita) e a convivência com mãe e filha, até o início da polêmica viagem com Lolita pelos EUA, tudo isso permeado pelos devaneios com as garotas que despertavam sua sexualidade e o fascínio pela menina; na segunda parte há a continuação da viagem, seu ápice e suas eventualidades, e o desfecho.

O livro é repleto de referências a obras e artistas memoráveis que adornam a narração, como quando cita Venus, de Botticelli, quando o significado de Virginia para Edgar Allan Poe é considerado ou, convenientemente, qual é o efeito de Beatriz sobre Dante (e quantos anos ela tinha nesta passagem de A Divina Comédia), havendo comparações à Lolita em todos estes exemplos.

Lolita, por sua vez, é uma menina distraída, dotada de típicos acometimentos joviais de raiva e futilidade, de um QI altíssimo (não me recordo agora, mas é próximo à superdotação) e, segundo Humbert, de um feitiço quase mortal, sexualmente falando, ao passo que é desprovida da consciência de tal capacidade.

A narração é direcionada ao leitor, mas muitas vezes ao júri também, sem uma introdução ou qualquer satisfação concreta sobre a razão de ele estar depondo judicialmente, o que leva a suposições por parte do leitor. Há também momentos em que Humbert utiliza a 3ª pessoa para falar de si mesmo, o que demonstra um certo descontrole, desespero para sustentar o sofrimento passado por ele, o que está mencionando ou mesmo quando tem um acesso de fúria (este, um parecer um tanto pessoal de quem vos escreve).

A minha edição é de 2003, de uma coleção do jornal O Globo, de capa dura, tradução de Jorio Dauster e letras com uma fonte muito, muito pequena. No prefácio, um certo John Ray Jr. (suposto Doutor em Filosofia) apresenta a história como sendo real, publicada após a morte de Edgar Humbert Humbert, sem nomes ou referências verdadeiras para proteger a imagem dos "envolvidos", etc. e termina-o justificando os atos do personagem pedófilo com base na psicologia e psiquiatria, não por isso enobrecendo tais atos.

A primeira edição foi lançada em 1955 e já em 1962 foi filmada a primeira adaptação para o cinema, com a direção do lendário Stanley Kubrick. Em 1997 foi lançada outra versão, com Adrian Lyne na direção e Jeremy Irons como Humbert.

À primeira vista, pode parecer um caso estritamente pornográfico, principalmente se levadas em conta a época de seu lançamento e a repercussão que gerou até hoje, mas a realidade é que há muito a se considerar que apenas pornografia; o drama passado pelo personagem masculino manifesta a sociedade em torno dele que contribuiu para que ele interiorizasse o trauma passado na infância, por exemplo, ou que não se mostrou pronta a ajudá-lo quando ele descobre-se pedófilo; ao manifestar o amor por Lolita, ele não mente, sua preferência pelas meninas de 12 anos é real e em um ambiente em que cada pessoa só preocupa-se com os próprios incômodos (vide uma certa disputa de Charlotte com Lolita pela atenção de H. H.), é quase inconcebível a reversão do desvio de moral ou do que mais possa ser incluído aqui.

Por mais que o tom indiferente assumido em momentos com a adolescente e a perversão inerentes ao personagem masculino choquem, ou ainda, por mais que duvide-se do constante caráter tentador de Lolita por conta da insistência de Humbert em vê-la como criatura unicamente sedutora, sem dúvida, o livro merece leitura e releitura por ser inteligente, conceder uma visão diferenciada do problema e ser claro sobre tudo o que é tratado nele, mesmo que muitas vezes sem pudor.

Me inspirei para o parágrafo sobre Lolita e sobre o "pseudo-prefaciador" do livro ao ler este artigo aqui: http://www.amulhernaliteratura.ufsc.br/artigos/lo.html

5 comentários:

  1. Muito boa resenha! Li recentemente a mesma edição.

    ResponderExcluir
  2. Engraçado, mas vejo Nabokov como um escritor que não consegue fugir aos legado russo, apesar de toda sua insistência. Os ensaios em que critica Dostoiévski são prova disso. Mas quando o lemos, vemos que por mais que ele tente não ter personagens histriônicos, aleijados, assassinos e o que mais puder ele não consegue escapar de uma questão moral tão profunda quanto a duplicidade de caráter do personagem de O Duplo, do Dostô. Sei que para ele literatura é arte, é brincar de ser algum demiurgo. Não importa. Aconselho que leia a Gargalhada no Escuro, um espécie de ensaio precedente ao Lolita.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada pelo comentário!
      Mal o li e já adicionei Gargalhada no Escuro à minha lista de leituras para 2013! =D

      Excluir