24/11/2013

Entrevista com Diogo Aguiar

Diogo Aguiar é músico, compositor, desenhista, pintor, poeta e autor do livro "Poemas Mortos". Suas poesias apresentam características românticas e ultra-românticas e podem ser apreciadas no blog "Amissus Poems". O autor também participa do blog literário português "Tubo de Ensaio".


Estante Insólita - Por que o título “Poemas Mortos”? 

Diogo Aguiar - O titulo “Poemas Mortos” leva a crer que o livro só fala de morte, mas não é bem assim. O termo “mortos” foi utilizado porque na maioria das vezes quando algo ou alguém morre, acaba sendo esquecido e somente é lembrado vez ou outra quando esbarramos com uma foto, um local marcante, um perfume, um sabor e etc. E tudo que morreu deixa, de certa forma, de fazer parte da nossa vida cotidiana. No livro “Poemas Mortos” são sentimentos felizes e tristes que já findaram, e por isso do nome.

EI - Como é o processo de criação da sua poesia? Quais preocupações você tem ao escrevê-las?

DA - A criação das minhas poesias são sempre por inspiração, inspiração natural ou induzida. Quando digo induzida são fatos que ocorrem que me fazem desabafar através da poesia., sejam eles algo que deixa triste, com ira, preocupado entre outros. A minha preocupação na poesia é conseguir me expressar, as rimas acabam saindo ou não, mas não é uma preocupação constante, nem rima e nem métrica.

EI - Os temas abordados em sua poesia são carregados de romantismo e morbidez. Por que a escolha destes temas?

DA - Então, esse livro tem 1/3 de poemas felizes e de fato o que resta são poemas românticos e tristes, taciturnos e mórbidos, pois o livro narra uma jornada poética onde o “Poeta” descobre um amor, convive com ele, perde esse amor e se afunda em abismo total. No caso, o livro foi composto sem o próposito de ser um livro foram poemas que fui escrevendo durante um período da minha vida e alguns anos apos escrever todos eles, vi que seguiam uma ordem cronológica e que um completava o outro, e por isso não foi uma escolha de um tema. Tanto que hoje possuo um blog pessoal de poesias onde posto semanalmente chamado Amissus Poems, onde os textos são de todos os tipos, social, religioso, amoroso, de raiva, de preocupação,  de esperança  entre outros assuntos.

EI - Você participou, na FLIVA, do Sarau com Regina Vilarinhos, além de outros saraus. Como é a participação em um Sarau?

DA - Exato, na FLIVA tive a oportunidade de participar de diversos saraus nos três dias que fiquei em Valença. Participar de um sarau é algo literalmente mágico, pois no momento em que recita você não fala de “boca para ouvidos”, mas sim de “alma para alma”, e as vezes o que você recita é o que exatamente a pessoa que está no momento precisava ouvir. Acredito que a poesia assim como toda forma de arte pode mudar e melhorar vidas, e é assim que me sinto quando participo de um sarau, mudando e melhorando a mim e contribuindo para a melhora de tantos outros.

http://amissuspoems.blogspot.com.br/